Informações ao Cidadão
Acompanhe-nos no Acompanhe-nos no Facebook

Prevalência e Fatores de Risco associados a diagnósticos falsos-positivos de Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST em Centros Capacitados a Angioplastia Primária – Um Relatório do Registro ACTIVATE-SF.

Prevalência e Fatores de Risco associados a diagnósticos falsos-positivos de Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST em Centros Capacitados a Angioplastia Primária – Um Relatório do Registro ACTIVATE-SF.

Tradução em Comentários: Dr. Cristiano Pederneiras Jaeger, médico cardiologista, coordenador do setor de Internação Cardiológica do Hospital Mãe de Deus
No último dia 7 de maio foi publicado na revista online do Archives of Internal Medicine um artigo muito interessante, entitulado: Prevalência e Fatores de Risco associados a diagnósticos falsos-positivos de Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST em Centros Capacitados a Angioplastia Primária – Um Relatório do Registro ACTIVATE-SF.

O estudor ealizado em São Francisco, Califórnia, pelo Dr. James McCabe e colaboradores teve por objetivo determinar a ocorrência de ativações desnecessárias (falsos-positivos) do sistema de catetrismo por supostos diagnósticos de IAM com supra de ST por médicos emergencistas.

O registro ACTIVATE-SF incluiu patientes consecutivos admitidos com diagnóstico clínico de IAM com supra de ST em um hospital terciário (UniversityofCalifornia, San Francisco) e um centro de trauma (San Francisco General Hospital) em São Francisco, entre outubro de 2008 e abril de 2011. Ambos os centros dispõem de serviços de hemodinâmica disponíveis 24 horas por dia e 7 dias por semana, e em ambos a ativação do sistema de cateterismo é feita por médicos emergencistas que só consultam o cardiologista antes, caso haja alguma dúvida. Os dados para o registro foram coletados das notas dos médicos emergencistas e enfermeiras, e a avaliação dos ECG e clínica a posteriori foram realizadas por 2 cardiologistas cegos aos resultados dos cateterismos. Todos os casos definidos como falsos-positivos foram revisados por um terceiro cardiologista independente.

Dos 411 pacientes incluídos, 146 (36%) receberam resultadosfalsos-positivos. Dentre as variáveis analisadas como potenciais fatores associados a tais resultados, 5 apresentaram significância estatística, após análise multivariada, sendo 3 fatores de risco (hipertrofia ventricular esquerda ao ECG, histórico prévio de doença arterial coronariana e histórico de abuso de drogas, com razões de chances de 3,15, 2,67 e 1,93, respectivamente) e 2 fatores de proteção (angina como apresentação inicial e alto índice de massa corporal, com razões de chances de 0,28 e 0,91, respectivamente).

Na discussão do artigo, os autores revelam que as ativações falso-positivas não indicam, necessariamente, um erro de julgamento, sendo muitas vezes aceitas com o intuito de reduzir o tempo porta-balão, variávelesta estudada sobremaneira e com uma forte evidência comprovada de relação inversamente proporcional a mortalidade no IAM com supra de ST. No entanto, também descrevem que durante o período do estudo, a porcentagem de falsos-positivos foi aumentando discretamente a cada ano (P=0,03) sem redução nos tempos porta-balão (P=0,54).

Conforme os autores, as associações entre os fatores de risco e de proteção e os resultados falsos-posistivostem plausibilidade clínica, exceto pelo índice de massa corporal, onde questionam a possibilidade de alterações de voltagem no ECG ouo baixo risco de IAM em pacientes magros estarem relacionados à proteção desta variável. O número de ativações falsos-positivasdos sistemas de cateterismo para IAM com supra de ST neste registro diferedo descrito na literatura (14%), e mudanças temporais, bem como a ênfase na redução dos tempos porta-balão poderiam explicar tais diferenças. Contudo, 2 registros recentemente publicados expuseram resultados semelhantes aos do estudo em questão.
Persiste a dúvida sobre a melhor e mais custo-efetiva estratégia na ativação dos sistemas de cateterismo nos casos de IAM com supra de ST. O cardiologista deve ou nãoparticipar desta decisão?

Voltar